ANIVERSARIANTES DO MÊS

ANIVERSARIANTES DO MÊS

Tradutor - Translator - Traduttore - Traductor - Traducteur - Übersetzer - переводчик - 翻译 - 翻訳者

PORTADORES DE BOAS NOTÍCIAS



Queridos irmãos e irmãs!

“Eis que vos anuncio uma boa notícia que será de grande alegria para todo o povo” (Lc 2,10). A Palavra, que desde o princípio estava junto de Deus, pois era Deus (cf. Jo 1,1), “ao cumprir-se a plenitude dos tempos” (Gl 4,4) se faz Emanuel, Deus está conosco (cf. Mt 1,23). Este é o Evangelho de Deus “aos homens de boa vontade” de todos os tempos (cf. Lc 2,14). Esta é a Boa Notícia que mudou a história da humanidade: “O povo que andava nas trevas viu uma grande luz, uma luz raiou para os que habitavam uma terra sombria” (Is 9,1); e que muda a história de todos aqueles que a acolhem (cf. Jo 1,12).
É Natal. Chegou a hora de despir-se da veste de luto e aflição (cf. Br 5,1). “O Senhor fez grandes coisas por nós, por isso estamos alegres” (Sl 125,3). A humanidade aguardava paciente o fruto precioso da terra (cf. Tg 5,7). Finalmente “a graça de Deus se manifestou para a salvação de todos os homens” (Tt 2,11). É Natal! Deus vem para permanecer conosco: “Alegraivos sempre no Senhor! Repito: alegrai-vos” (Fl 4,4).
O Natal nos recorda que não estamos sozinhos, que Deus caminha conosco pelos caminhos do mundo. Esta presença é causa de imensa alegria (cf. Mt 18,8- 9), fundamento de uma esperança certa para aqueles que acolhem a boa notícia com fé reta e a tornam presente na vida com caridade perfeita (cf. OC).
O Natal nos recorda também a necessidade de sermos portadores da Boa Notícia, aos de perto e aos de longe (Ef 2,17), aos que se sentem próximos e aos que pensam estar afastados. Quem se encontrou com Cristo não pode fazer outra coisa que converter-se em anunciador da Verdade, como fez a samaritana (cf. Jo 4,28-29). Quem descobriu Cristo como o tesouro de sua vida não pode deixar de comunicar aos demais esta descoberta, como a mulher que encontra a moeda (cf. Lc 15,8ss). Como os pastores, quem encontrou Cristo não pode fazer outra coisa do que comunicar a todos esta boa notícia (cf. Lc 2,16ss). E faz isto com alegria, como os pastores (cf. Lc 2,20); sem demora, como os discípulos de Emaús (cf. Lc 24,33); com audácia, como os primeiros discípulos (cf. At 5,22ss); e com criatividade, como fizeram nossos grandes missionários ao longo dos 800 anos de nossa história.
A alegria que produz tal descoberta (cf. Mt 13,44), a palavra que arde em um coração enamorado pelo Senhor (cf. Lc 24,32), a experiência de quem se sente agraciado por um olhar amoroso do Senhor (cf. Mc 10,21), põe os pés em movimento para “sair” e ir ao encontro do outro, cruzando todo tipo de barreiras culturais, sociais e, inclusive, religiosas. O ardor missionário é o melhor teste para saber se já encontramos ou não a Cristo.
“Ai de mim se não evangelizar!”
“Evangelizar é a graça e a vocação própria da Igreja, sua identidade mais profunda” (EN 13-14). Considerando os muitos batizados que estão pouco evangelizados, a triste realidade de muitos cristãos que o são só de nome, e o fato de que, depois de 2000 anos, continuam sem conhecer a Cristo, é necessário reafirmar sem medo a urgência e a necessidade da nova evangelização (=NE) (cf. VD 96).
Neste momento, a Igreja necessita de um novo impulso missionário (cf. RM 30ss); necessita deixar-se impregnar pelo ardor da pregação apostólica (cf. NMI 40), para comunicar Cristo, com serena audácia, a quem não o conhece ainda (missão ad gentes), e para tornar compreensível nos novos desertos do mundo a palavra da fé que nos regenerou para a vida (missão inter gentes). Nos umbrais do terceiro milênio, a Igreja necessita renovar o entusiasmo na comunicação da fé, em anunciar e transmitir o Evangelho, “poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1,16), e que em última instância se identifica com a pessoa de Jesus Cristo (cf. 1Cor 1,24). O Espírito nos dá a parresia para tal anúncio (cf. At 2,29).
Por isso, se queremos “conservar o frescor, o impulso e a força para anunciar o Evangelho” (EN 15), como seguidores de Jesus sentimos a necessidade da conversão, de deixar-nos evangelizar para poder evangelizar, como se repetiu muitas vezes na sala sinodal, na XIII Assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização para a transmissão da fé (celebrada no Vaticano de 7 a 28/10/2012). Somente assim, vivendo de maneira renovada a própria consciência comunitária da fé, reencontrando o entusiasmo para comunicar a fé, poderemos anunciar a Boa Notícia nas novas situações culturais que se criaram nas últimas décadas. Anúncio e testemunho vão de mãos dadas.
Por outro lado, como também reconheceu o Sínodo, Deus não está ausente só na vida da sociedade, mas também na vida das próprias comunidades eclesiais. O secularismo, a indiferença e o relativismo entraram de cheio na vida de tantos batizados, sacerdotes e consagrados de maneira que tais atitudes já não são somente uma ameaça externa, mas também um conflito cotidiano.
Por tudo isso, a NE é, antes de tudo, uma chamada e uma pergunta feita pela Igreja a si mesma, para que reforce em todos os batizados a fé em Cristo e nos comprometamos a ser propositivos neste novo contexto cultural no qual a Igreja é chamada a viver sua fé e a transmiti-la. Trata-se, portanto, de reavivar a fé que corre o risco de apagar-se em contextos que obstaculizam seu enraizamento pessoal, sua presença social, a clareza de seus conteúdos e seus frutos coerentes, primeiramente em nós para em seguida reavivá-la nos outros.
O apelo à evangelização se traduz em uma chamada à conversão. Chamados a evangelizar, é nosso dever vencer o medo com a fé, o desânimo com a esperança, a indiferença com o amor.
A isto mira, precisamente, a NE. Esta é dirigida, em primeiro lugar, a todos os batizados, necessitados todos, também nós consagrados, de redescobrir as razões de sua/nossa fé e de ser evangelizados para poder evangelizar. A NE também tem como destinatários todos quantos abandonaram sua fé e por múltiplas razões se afastaram da Igreja. Finalmente, a NE se dirige àqueles que desejam crer e buscam um sentido pleno para a sua vida. Todos esses, os crentes, os afastados e os que desejam crer, buscam pessoas em condição de comunicar-lhes, mais com o testemunho de sua vida que com sua palavra, a alegria do encontro com Cristo.
Como se disse no Sínodo não há homem ou mulher que em sua vida, como a mulher de Samaria, não se encontre junto a um poço com uma vasilha vazia, com a esperança de encontrar Aquele que pode dar significado pleno à existência. Como Jesus no poço de Sicar, particularmente nós os frades do povo, temos de sentir a necessidade de sentarmo-nos junto aos homens e às mulheres de nosso tempo para tornar presente o Senhor em suas vidas, de modo que possam encontrá-lo, pois somente ele é água que dá a vida verdadeira e eterna (cf. Jo 4,5-42).

“A caridade de Cristo tambémnos impele”
Nossa Ordem, junto com outras Ordens e Institutos de Vida Consagrada, contribuiu de maneira mui importante na transmissão da fé, aos de perto, através das missões populares e da evangelização ordinária, e aos de longe, através da missão ad gentes.
Acolhendo o convite que nos vem da Igreja, não podemos deixar de colaborar, a partir de nossa experiência, e com a criatividade que sempre nos caracterizou, na tarefa da nova evangelização. Isso requer de nossa parte: viver com radicalidade e gozo nossa própria identidade franciscana; uma vida que mostra a primazia absoluta de Deus e que, através da vida fraterna em minoridade, expresse a força humanizadora do Evangelho; plena disponibilidade para ir às fronteiras geográficas, sociais e culturais da evangelização; situar-nos nos novos areópagos da missão (cf. VC 96-99); e o compromisso pela salvaguarda da criação, a construção da paz e a promoção da justiça, especialmente na defesa dos direitos dos que sofrem por causa de situações de exclusão em nossas sociedades.
Uma vida franciscana, plenamente evangélica, evangelizada e evangelizadora, em profunda comunhão com os pastores e em estreita colaboração com os leigos, e fiel ao nosso próprio carisma, oferecerá uma contribuição muito significativa à NE.
Fiéis ao convite do Concílio Vaticano II, queremos manter viva a capacidade permanente de perscrutar os sinais dos tempos e de interpretá-los à luz do Evangelho (cf. GS 4). Como seguidores do Poverello, queremos manter em todo o momento um olhar cheio de simpatia ao nosso mundo amado por Deus (Jo 3,16).
Não pode haver lugar para o pessimismo no coração e na mente daqueles que se sentem chamados a viver o Evangelho, seguindo as pegadas de Cristo. Ao mesmo tempo queremos viver em constante discernimento evangélico (cf. 1Ts 5,21) para “distinguir entre o que vem do Espírito e o que lhe é contrário” (VC 73). Isso nos permitirá descobrir que, apesar das muitas dificuldades que atualmente se apresentam para a transmissão da fé com o predominante secularismo, o crescente indiferentismo e relativismo, este nosso momento histórico oferece também grandes oportunidades para o anúncio da Boa Notícia, o que nos move a empreender, com novo ardor, novos métodos, e novas expressões, o desafio da nova evangelização.
Novo ardor. O novo ardor exige conversão pessoal, renovar constantemente a paixão por Cristo, pela Verdade e pelo Evangelho. O novo ardor questiona e faz com que nos perguntemos onde está nosso coração, quem continua sendo o “amor primeiro” na vida de todos os dias, se nossas vidas estão unificadas em torno de Cristo ou fragmentadas e divididas, se estamos centrados no único necessário ou distraídos em tantas coisas que, embora sendo boas, não são o mais importante.
O novo ardor questiona, em definitivo, nossa vida cotidiana e o estilo da mesma. A NE consiste em propor de novo ao coração e à mente, não poucas vezes distraídos e confusos, dos homens e das mulheres de nosso tempo e, sobretudo a nós mesmos, a beleza e a novidade perene do encontro com Cristo.
Para manter o ardor ou reacendê-lo, é necessário contemplar o rosto de Jesus Cristo, entrar no mistério de sua existência, manter sempre o coração voltado para o Senhor (RnB 22,19).
Novos métodos. Isto exige uma conversão pastoral, uma renovação do método de evangelização. Os novos métodos tem muito a ver com o uso dos novos meios de comunicação social, chamados a facilitar a transmissão da fé, particularmente ao mundo dos jovens que buscam sentido pleno para suas vidas e que guardam em seu coração aspirações profundas de autenticidade, de verdade, de liberdade, de generosidade, às quais somente Cristo pode ser resposta capaz de saciá-las. Devemos reservar uma atenção particular ao mundo das comunicações sociais, campo no qual se entrelaçam tantas vidas, tantas interrogações e tantas dúvidas. Os novos métodos também tem a ver com os conteúdos. Por outra parte, hoje, em muitas circunstâncias, se faz necessário um primeiro anúncio do Kerigma. Esse anúncio, em muitas ocasiões, será de tu a tu, e sempre há de ir acompanhado por um verdadeiro testemunho de vida cristã.
Novas expressões. Isso comporta uma conversão estrutural. Há estruturas que, em lugar de facilitar a transmissão da fé, a dificultam. Aqui se impõem, uma vez mais, lucidez e criatividade. Neste contexto também se faz necessário liberar a jaula da linguagem que muitas vezes torna incompreensível a Boa Notícia que queremos transmitir. Si queremos chegar às pessoas, especialmente aos jovens, se faz necessário entrar na cultura da linguagem da comunhão digital, sem esquecer nunca que a linguagem compreensível para todos, e que não pode ser substituída por nenhuma outra, é a do testemunho e da santidade.
Novas expressões comportam também criar novos poços, onde nossos contemporâneos possam saciar sua sede de plenitude e onde, a partir da experiência de deserto – Bento XVI durante a homilia da inauguração do Ano da fé falou de “desertificação espiritual”-, possam descobrir a alegria de crer. Com a Igreja sentimos o dever de individuar e imaginar novos instrumentos e novas palavras para tornar compreensível o anúncio da Boa Noticia, também nos novos desertos do mundo. A leitura orante da Palavra nos ajudará a encontrar esses novos poços onde nossos contemporâneos podem encontrar-se com Jesus.

“Acreditei, por isso falei”
A NE, porque tem seu centro em Cristo e não é tanto questão de estratégias senão de dar qualidade ao nosso testemunho, vai estreitamente unida à fé. E não se trata de uma fé abstrata, de noções, como diria o Cardeal Newman, mas de uma fé feita experiência, uma fé vivida, celebrada e confessada, como nos pede o Papa Bento em Porta Fidei; uma fé que tenha como fundamento o encontro com um acontecimento, com uma pessoa que é Jesus, que dá um novo horizonte à vida e com isso uma orientação decisiva (cf. Deus caritas est 1). Uma fé que seja, antes de tudo, adesão pessoal a Cristo, confiança sem fissuras nele (cf. LD, 1ss).
Os biógrafos de Francisco o definem como novus evangelista, enviado por Deus para despertar o coração dos homens e das mulheres de seu tempo a um verdadeiro sentido de presença e de ação de Deus em suas vidas. O Poverello quis embarcar em uma nova evangelização da sociedade e da cultura de seu tempo. Sua novidade não consistiu tanto em pregar o Evangelho, pois isso o faziam também muitos outros, mas em uma nova atualização do Evangelho, com um compromisso apaixonado e uma encarnação criativa, tudo isso possível graças à sua fé granítica nAquele ao qual confessa como o TUDO de sua vida (cf. LD, 4).
Queridos irmãos e irmãs! À distância de vinte séculos a Igreja nos recorda o mandato do Senhor: “Ide ao mundo inteiro e proclamai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15). Não há tempo a perder. A paixão por Cristo e a compaixão pela humanidade, que deve arder em nossos corações, não nos permitem aninhar cansaços. É hora de colocar-nos em caminho, dispostos a cruzar todo tipo de barreiras, bem equipados de fé reta, esperança certa e caridade perfeita.

É Natal
É Natal! Queridos irmãos e irmãs: seguindo o exemplo dos pastores, da samaritana e de tantos outros, coloquemo-nos em caminho para conduzir os homens e as mulheres de hoje para fora do deserto, rumo aos poços de água viva, rumo a Cristo que nos dá a vida e a vida em plenitude. Feliz Natal a todos, com o desejo de que Cristo nasça em nossos corações para levá-lo aos outros.

Solenidade da Imaculada, Roma, 8 de dezembro de 2012

Vosso irmão, Ministro e servo.
Fr. José Rodríguez Carballo, ofm
Ministro geral, OFM
SIG. MINISTRI GENLIS. TOTIUS ORD. FRATR. MINORUM

Nenhum comentário:

VISITANTES

QUEM SOMOS?

Com certeza você já ouviu falar de nós. SOMOS OS FRANCISCANOS, os irmãos menores. Com estas três palavras quase que lhe dissemos tudo: somos seguidores de Jesus Cristo ao modo de São Francisco de Assis; procuramos ser irmãos de todos, homens e mulheres, crianças e adultos, plantas e animais; e, além disso, com humildade, alegria e com poucas coisas materiais. Outra coisa que lhe convém saber, é que nós, franciscanos, trabalhamos nas mais variadas áreas, conforme as competências e formação de cada um e as necessidades da Ordem, da Igreja e do povo de Deus no mundo. Procuramos ser peregrinos e forasteiros, pacíficos e humildes, e assim vamos pelo mundo sem nada de próprio, trabalhando com fidelidade e devoção, conforme nos exigem as realidades e necessidades do nosso tempo. Seguindo os passos de Cristo pobre, humilde e crucificado, que reuniu os discípulos em torno de si e lhes lavou os pés.

Nós, frades menores, vivemos em fraternidade, no serviço e no dom recíproco. Queremos continuar anunciando a mensagem de Paz e Bem ao mundo na simplicidade e união fraterna.

Tem um lugar para você aqui também!

Conhecer não te compromete!

Acertar te realiza!

DEIXE AQUI O SEU E-MAIL PARA RECEBER NOTÍCIAS

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores