ANIVERSARIANTES DO MÊS

ANIVERSARIANTES DO MÊS

Tradutor - Translator - Traduttore - Traductor - Traducteur - Übersetzer - переводчик - 翻译 - 翻訳者

CAPÍTULO XV


Como Santa Clara comeu com São Francisco e com os seus companheiros frades em Santa Maria dos Anjos.

São Francisco, quando estava em Assis, visitava muitas vezes Santa Clara, dando-lhe santos ensinamentos. E tendo ela grandíssimos desejos de comer uma vez com ele, pedindo-lhe isso muitas vezes, ele nunca quis fazer essa consolação. Daí, vendo os seus companheiros o desejo de Santa Clara, disseram a São Francisco: “Pai, não nos parece que essa rigidez esteja de acordo com a caridade divina, que não escutes a Irmã Clara, virgem tão santa, amada por Deus, em coisa tão pequena como é comer contigo; e especialmente considerando que ela, pelas tuas pregações, abandonou as riquezas e as pompas do mundo. E, na verdade, se ela te pedisse uma graça maior do que essa não é, deverias atender tua planta espiritual”. 
 
Então São Francisco respondeu: “A vós parece que eu deva atende-la?”. Respondem os companheiros: “Pai, sim, é coisa digna que tu lhe faças essa graça e consolação”. Então São Francisco disse: “Se a vós parece, parece também a mim. Mas, para que ela seja mais consolada, eu quero que essa refeição seja feita em Santa Maria dos Anjos, porque ela ficou muito tempo fechada em São Damião, de modo que será bom para ela ver o lugar de Santa Maria, onde ela foi tonsurada e feita esposa de Jesus Cristo; e aí comeremos juntos no nome de Deus”.

Quando chegou, então, o dia marcado para isso, Santa Clara saiu do mosteiro com uma companheira, acompanhada por companheiros de São Francisco, e foi a Santa Maria dos Anjos. E, depois de saudar devotamente a Virgem Maria diante do seu altar onde ela tinha recebido a tonsura e o véu, levaram-na para ver o lugar, até que chegou a hora de comer. Nesse meio tempo, São Francisco fez preparar a mesa na terra lisa, como costumava fazer. E quando chegou a hora de comer, sentaram-se juntos São Francisco e Santa Clara, e um dos companheiros de São Francisco e a companheira de Santa Clara, e depois todos os outros companheiros se acomodaram humildemente à mesa. E como primeiro prato, São Francisco começou a falar de Deus tão suavemente, tão altamente, tão maravilhosamente, que, descendo sobre eles a abundância da graça divina, todos foram arrebatados em Deus.

Estando eles assim arrebatados, com os olhos e com as mãos levantadas para o céu, os homens de Assis e de Bettona, e os da região ao redor, viam que Santa Maria dos Anjos, todo o lugar e o bosque, que havia então ao lado do lugar, ardiam fortemente, e parecia que era um fogo tão grande que ocupava a igreja, o lugar e o bosque juntos. Por isso os assisienses correram lá para baixo com grande pressa para apagar o fogo, crendo verdadeiramente que tudo estava ardendo. Mas, chegando ao lugar e não vendo nada a queimar, entraram e encontraram São Francisco com Santa Clara e com toda a sua companhia arrebatados em Deus pela contemplação e sentados àquela mesa humilde. Pelo que eles compreenderam com certeza que aquilo tinha sido fogo divino e não material, que Deus tinha feito aparecer milagrosamente para demonstrar e significar o fogo do amor divino, com que ardiam as almas desse santos frades e santas monjas. Por isso foram embora com grande consolação em seu coração e com santa edificação.

Depois de um grande espaço, voltando a si São Francisco e Santa Clara juntos com os outros, e sentindo-se bem confortados pelo alimento espiritual, pouco se importaram com o alimento corporal. E assim, cumprida aquela santa refeição, Santa Clara voltou bem acompanhada a São Damião.

Quando a viram, as Irmãs tiveram uma grande alegria, pois temiam que São Francisco a tivesse mandado para dirigir algum outro mosteiro, como ele já tinha mandado a Irmã Inês, sua santa irmã, como abadessa para dirigir o mosteiro de Monticelli de Florença. E São Francisco tinha dito alguma vez a Santa Clara: “Fica preparada para o caso de eu te mandar para algum lugar”. E ela, como filha da santa obediência, tinha respondido: Pai, eu estou sempre preparada para ir a qualquer lugar vós me mandeis”. E por isso as Irmãs se alegraram fortemente, quando a tiveram de volta. E Santa Clara ficou, daí em diante, muito consolada.
 
Para louvor de Jesus Cristo e do pobrezinho Francisco.

2 comentários:

nicealves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
eunice.anjo.alves@gmail disse...

É uma alegria ler sobre a vida de S.
Francisco de Assis e S.Clara, e mais
ainda sobre os Franciscanos que levam
tantas alegrias ao próximo!
Que Deus derrame muitas bençãos sobre vocês!

Eunice Alves

VISITANTES

QUEM SOMOS?

Com certeza você já ouviu falar de nós. SOMOS OS FRANCISCANOS, os irmãos menores. Com estas três palavras quase que lhe dissemos tudo: somos seguidores de Jesus Cristo ao modo de São Francisco de Assis; procuramos ser irmãos de todos, homens e mulheres, crianças e adultos, plantas e animais; e, além disso, com humildade, alegria e com poucas coisas materiais. Outra coisa que lhe convém saber, é que nós, franciscanos, trabalhamos nas mais variadas áreas, conforme as competências e formação de cada um e as necessidades da Ordem, da Igreja e do povo de Deus no mundo. Procuramos ser peregrinos e forasteiros, pacíficos e humildes, e assim vamos pelo mundo sem nada de próprio, trabalhando com fidelidade e devoção, conforme nos exigem as realidades e necessidades do nosso tempo. Seguindo os passos de Cristo pobre, humilde e crucificado, que reuniu os discípulos em torno de si e lhes lavou os pés.

Nós, frades menores, vivemos em fraternidade, no serviço e no dom recíproco. Queremos continuar anunciando a mensagem de Paz e Bem ao mundo na simplicidade e união fraterna.

Tem um lugar para você aqui também!

Conhecer não te compromete!

Acertar te realiza!

DEIXE AQUI O SEU E-MAIL PARA RECEBER NOTÍCIAS

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores