ANIVERSARIANTES DO MÊS

ANIVERSARIANTES DO MÊS

Tradutor - Translator - Traduttore - Traductor - Traducteur - Übersetzer - переводчик - 翻译 - 翻訳者

CAPÍTULO LIII



Como, celebrando a missa, Frei João do Alverne caiu como se estivesse morto. 

Para o dito Frei João, no sobredito lugar de Molliano, como contaram os frades que estavam presentes, aconteceu uma vez este caso admirável, que, na primeira noite depois da oitava de São Lourenço e dentro da oitava da Assunção de Nossa Senhora, tendo dito matinas na igreja com os outros frades, e sobrevindo-lhe a unção da divina graça, ele foi para o bosque contemplar a paixão de Cristo e dispor-se com toda a sua devoção para celebrar a missa, que lhe tocava cantar naquela manhã. E, estando em contemplação das palavras da consagração do corpo de Cristo, isto é: Hoc est corpus meum, e considerando a infinita caridade de Cristo, pela qual ele não somente quis comprar-nos com o seu sangue precioso, mas até deixar-nos como alimento das almas o seu corpo e sangue digníssimo; começou a crescer-lhe em tamanho fervor e em tamanha suavidade o amor do doce Jesus, que sua alma já não podia mais suportar tanta doçura, mas gritava forte e como ébrio de espírito, sem se cansar de dizer consigo mesmo: Hoc est corpus meum. Pois dizendo essas palavras parecia-lhe que estava vendo Cristo bendito com a Virgem Maria e com uma multidão de anjos. Ao dizer isso era iluminado pelo Espírito Santo sobre todos os profundos e altos mistérios daquele altíssimo Sacramento. 
Quando chegou a aurora, ele entrou na igreja com aquele fervor de espírito, com aquela ansiedade e com aquelas palavras, crendo que ninguém o ouvia nem via. Mas havia um frade em oração no coro, que estava ouvindo e vendo tudo. Como ele não podia conter-se naquele fervor pela abundância da graça divina, gritava em alta voz. E ficou tanto tempo desse jeito que chegou a hora de dizer a missa. Então ele foi se preparar para o altar e começou a missa. E quando mais nela se adiantava, mais lhe crescia o amor de Cristo e aquele fervor da devoção, com o qual lhe era dão um sentimento de Deus inefável, que ele mesmo não sabia nem podia expressar com a língua. Então, temendo que aquele fervor e sentimento de Deus crescesse tanto que lhe conviesse deixar a missa, ficou muito perplexo e não sabia para que lado ir: continuar a missa ou ficar esperando. 
Mas, como lhe acontecera uma outra vez um caso semelhante, e o Senhor tinha temperado de tal maneira aquele fervor que não tivera que deixar a missa, confiando que ia poder fazer o mesmo desta vez, pôs-se a continuar a missa, com grande temor. Quando chegou ao prefácio de Nossa Senhora, começou a crescer tanto a sua iluminação e a graciosa suavidade do amor de Deus que, chegando ao Quipridiequam, mal podia suportar tanta suavidade e doçura. 
Finalmente, quando chegou o ato da consagração e já tinha dito metade das palavras sobre a hóstia, isto é,Hoc est enim, não conseguia de modo algum continuar, mas ficou repetindo essas palavras: Hoc est enim. E a razão pela qual não podia ir mais adiante é porque sentia e via a presença de Cristo com uma multidão de Anjos, cuja majestade não podia suportar. E via que Cristo não entrava na hóstia, nem que a hóstia se substanciava no corpo de Cristo se ele não proferisse a outra metade das palavras, isto é: corpus meum. 
Então, estando nessa ansiedade e sem continuar, o guardião, os outros frade e mesmo muitos seculares que estavam na igreja para ouvir a missa, aproximaram-se do altar e estavam espantados de ver e considerar os atos de Frei João. Muitos deles choravam de devoção. 
Afinal, depois de um bom espaço de tempo, isto é, quando aprouve a Deus, Frei João proferiu corpus meum em alta voz. De repente, a forma do pão desapareceu, e na hóstia apareceu Jesus Cristo bendito, encarnado e glorificado, e lhe demonstrou a humildade e caridade que o fizeram encarnar-se da Virgem Maria, e que o fazem vir todos os dias às mãos do sacerdote quando consagra a hóstia. 
Por causa disso, ele foi elevado na doçura da contemplação. Por isso, tendo elevado a hóstia e o cálice consagrado, ele foi arrebatado para fora de si mesmo. Estando sua alma suspensa dos sentimentos corporais, seu corpo caiu para trás e, se não fosse sustentado pelo guardião, que estava atrás, teria caído deitado por terra. 
Então os frades e os seculares que estavam na igreja, homens e mulheres, acorreram e levaram-no para a sacristia como morto, pois seu corpo tinha esfriado como um corpo morto, e os dedos das mãos tinham se fechado tão fortemente quem nem podiam se estender ou mover. Ficou assim prostrado como morto, ou arrebatado, até terça. E era verão. 
E como eu, que estive presente, desejava muito saber o que Deus tinha feito com ele, assim que ele voltou a si, fui procura-lo e pedir-lhe, pela caridade de Deus, que ele me dissesse tudo. Então ele, porque confiava muito em mim, contou-me tudo bem ordenadamente. Entre outras coisas, disse-me que, considerando o corpo e o sangue de Jesus Cristo mesmo antes, seu coração estava líquido como uma cera muito amolecida, e sua carne parecia estar sem ossos de modo que quase não podia levantar os braços nem as mãos para fazer o sinal da cruz sobre a hóstia nem sobre o cálice. Também me disse que, antes de se fazer padre, tinha-lhe sido revelado por Deus que ele devia desmaiar na missa. Mas, como já tinha dito muitas missas e isso não lhe acontecera, pensava que a revelação não tinha sido de Deus. Entretanto, cinco anos antes da Assunção de Nossa Senhora em que lhe aconteceu o caso referido, também lhe tinha sido revelado por Deus que aquele caso deveria acontecer por volta da festa da Assunção. Mas depois ele não se recordara dessa revelação. 
Para louvor de Jesus Cristo e do pobrezinho Francisco. Amém.

Nenhum comentário:

VISITANTES

QUEM SOMOS?

Com certeza você já ouviu falar de nós. SOMOS OS FRANCISCANOS, os irmãos menores. Com estas três palavras quase que lhe dissemos tudo: somos seguidores de Jesus Cristo ao modo de São Francisco de Assis; procuramos ser irmãos de todos, homens e mulheres, crianças e adultos, plantas e animais; e, além disso, com humildade, alegria e com poucas coisas materiais. Outra coisa que lhe convém saber, é que nós, franciscanos, trabalhamos nas mais variadas áreas, conforme as competências e formação de cada um e as necessidades da Ordem, da Igreja e do povo de Deus no mundo. Procuramos ser peregrinos e forasteiros, pacíficos e humildes, e assim vamos pelo mundo sem nada de próprio, trabalhando com fidelidade e devoção, conforme nos exigem as realidades e necessidades do nosso tempo. Seguindo os passos de Cristo pobre, humilde e crucificado, que reuniu os discípulos em torno de si e lhes lavou os pés.

Nós, frades menores, vivemos em fraternidade, no serviço e no dom recíproco. Queremos continuar anunciando a mensagem de Paz e Bem ao mundo na simplicidade e união fraterna.

Tem um lugar para você aqui também!

Conhecer não te compromete!

Acertar te realiza!

DEIXE AQUI O SEU E-MAIL PARA RECEBER NOTÍCIAS

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores