ANIVERSARIANTES DO MÊS

ANIVERSARIANTES DO MÊS

Tradutor - Translator - Traduttore - Traductor - Traducteur - Übersetzer - переводчик - 翻译 - 翻訳者

CAPÍTULO XIX


Como, da vinha do padre de Rieti, em cuja casa São Francisco orou, por causa das muitas pessoas que aí vinham a ele, foram arrancadas e colhidas as uvas; e depois, milagrosamente, produziu mais vinho do que nunca, como São Francisco tinha prometido. E como Deus revelou a São Francisco que ele teria o paraíso na hora da sua partida.

Estando uma vez São Francisco gravemente doente dos olhos, monsior Hugolino, cardeal protetor da Ordem, pela grande ternura que por ele tinha, escreveu para que fosse a ele em Rieti, onde havia ótimos médicos dos olhos. Então São Francisco, tendo recebido a carta do cardeal, foi primeiro a São Damião, onde estava Santa Clara, devotíssima esposa de Cristo, para dar-lhe alguma consolação e depois ir ao cardeal. Estando São Francisco aí, na noite seguinte piorou tanto dos olhos que nem via a luz. Não podendo partir por causa disso, Santa Clara fez para ele uma pequena cela de caniços, na qual ele pudesse repousar melhor. Mas São Francisco, tanto pela dor da doença como pela multidão de morcegos que muito o aborreciam, de maneira alguma podia repousar, nem de dia nem de noite. E sofrendo muitos dias essa pena e tribulação, começou a pensar e a saber que aquilo era um flagelo de Deus pelos seus pecados; e começou a agradecer a Deus com todo o coração e com a boca; e depois gritava em altas vozes e disse: “Senhor meu Deus, eu sou digno disto e de muito pior. Senhor meu Jesus Cristo, bom pastor, que demonstraste a tua misericórdia sobre nós pecadores em diversas penas e angústias corporais, concede graça e virtude a mim, tua ovelhinha, que por nenhuma enfermidade ou angústia eu me aparte de ti”. E feita essa oração, veio-lhe uma voz do céu que disse: “Francisco, responde-me. Se toda a terra fosse ouro, e todos os mares, fontes e rios fossem bálsamo, e todos os montes, colinas e rochas fossem pedras preciosas, e tu encontrasses um outro tesouro mais nobre do que essas coisas, quanto o ouro é mais nobre do que a terra, e o bálsamo do que a água, e as pedras preciosas mais do que os montes ou rochas, e te fosse dado por esta enfermidade aquele tesouro mais nobre, não deverias tu ficar contente e bem alegre?”. São Francisco respondeu: “Senhor, eu sou indigno de tesouro tão precioso”. E a voz de Deus lhe dizia: “Alegra-te, Francisco, pois esse é o tesouro da vida eterna, que eu reservei para ti e desde já te garanto; e essa enfermidade e tribulação são penhores daquele tesouro feliz”. Então São Francisco chamou o companheiro com enorme alegria de tão gloriosa promessa, e disse: “Vamos ao cardeal”. E consolando primeiro Santa Clara com santas palavras, e se despedindo dela humildemente, tomou o caminho de Rieti.
E quando chegou lá perto, tamanha multidão de povo veio ao seu encontro que, por isso, ele não quis entrar na cidade, mas foi a uma igreja que havia perto da cidade, a duas milhas, talvez. Sabendo os cidadãos que ele estava naquela igreja, corriam tanto ao redor para vê-lo, que a vinha da igreja ficou toda estragada e colhiam todas as uvas. Por isso o padre ficou muito aborrecido em seu coração, e se arrependeu de ter recebido São Francisco em sua igreja. Como Deus revelou a São Francisco o pensamento do padre, ele mandou chamá-lo e lhe disse: “Padre caríssimo, quantas medidas de vinho te dá esta vinha por ano, quando ela rende melhor?”. O padre respondeu que eram doze medidas. São Francisco disse: “Eu te peço, padre, que suportes com paciência o fato de eu ficar aqui alguns dias, porque aqui eu encontro muito repouso, e deixa que todas as pessoas peguem uvas desta tua vinha pelo amor de Deus e de mim, pobrezinho; e eu te prometo da parte do meu Senhor Jesus Cristo, que ela neste ano vai te render vinte medidas”.
E o motivo pelo qual São Francisco queria ficar ali era pelo grande fruto das almas, que se via sendo feito pelas pessoas que aí vinham, muitas das quais partiam inebriadas do amor divino e abandonavam o mundo. O padre confiou na promessa de São Francisco e deixou a vinha livremente para os que a ele vinham. Coisa maravilhosa! A vinha foi toda estragada e colhida, de modo que sobraram só alguns cachos de uva. Quando veio o tempo da vindima, o padre colheu esses cachos e colocou-os na dorna e pisou-os; e de acordo com a promessa de São Francisco, recolheu vinte medidas de ótimo vinho. Nesse milagre deu-se a entender claramente que, como por mérito de São Francisco a vinha despojada de uvas tinha sido abundante de vinho, assim o povo cristão, estéril de virtudes pelo pecado, pelos méritos e doutrina de São Francisco muitas vezes abundava de bons frutos de penitência.
Para louvor de Jesus Cristo e do pobrezinho Francisco. Amém.

Nenhum comentário:

VISITANTES

QUEM SOMOS?

Com certeza você já ouviu falar de nós. SOMOS OS FRANCISCANOS, os irmãos menores. Com estas três palavras quase que lhe dissemos tudo: somos seguidores de Jesus Cristo ao modo de São Francisco de Assis; procuramos ser irmãos de todos, homens e mulheres, crianças e adultos, plantas e animais; e, além disso, com humildade, alegria e com poucas coisas materiais. Outra coisa que lhe convém saber, é que nós, franciscanos, trabalhamos nas mais variadas áreas, conforme as competências e formação de cada um e as necessidades da Ordem, da Igreja e do povo de Deus no mundo. Procuramos ser peregrinos e forasteiros, pacíficos e humildes, e assim vamos pelo mundo sem nada de próprio, trabalhando com fidelidade e devoção, conforme nos exigem as realidades e necessidades do nosso tempo. Seguindo os passos de Cristo pobre, humilde e crucificado, que reuniu os discípulos em torno de si e lhes lavou os pés.

Nós, frades menores, vivemos em fraternidade, no serviço e no dom recíproco. Queremos continuar anunciando a mensagem de Paz e Bem ao mundo na simplicidade e união fraterna.

Tem um lugar para você aqui também!

Conhecer não te compromete!

Acertar te realiza!

DEIXE AQUI O SEU E-MAIL PARA RECEBER NOTÍCIAS

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores